terça-feira, 13 de dezembro de 2011

CONVOCATÓRIA

PRÍNCIPE CONVOCA REUNIÃO DE LOUCOS Todos os sábados ás 15 horas quem é louco que apareça FORTE SÃO JOSÉ

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Principe compra a Madeira

Exmo. Senhor Ministro das Finanças Do Governo da República do País-Irmão Portugal Senhor Dr. V. Gaspar A/C Representante da República para A Ilha-sobrinha Madeira Assunto: Oferta Real de Aquisição do Arquipélago da Madeira Exmo. Senhor, D. Renato I, Soberano da Casa Real do Principado Independente da Pontinha, vem por este meio apresentar uma proposta, firme, de aquisição do Arquipélago da Madeira, de modo a anexá-lo ao seu Principado. O valor da aquisição será considerado em sede de negociações pessoais com V. Exa., atendendo não só à situação financeira frágil deste “Arquipélago-sobrinho”, aos créditos de 500 anos que o mesmo detém sobre o País-irmão Portugal e aos próprios créditos que este Principado detém sobre V. Exa., dada a ocupação abusiva e quase selvagem realizada desde a construção do Porto do Funchal. Na certeza de que a aceitação de V. Exa. irá ao encontro da vontade da maioria do povo português intoxicado pela vossa própria comunicação Social, mantém Sua Majestade Real a expectativa de prezadas e céleres notícias, de modo a dar andamento ao processo. Cordialmente, (D. Renato I)

domingo, 2 de outubro de 2011

PROCLAMAÇÃO REAL

PROCLAMAÇÃO REAL
ALUSIVA AO DIA NACIONAL
DO PRINCIPADO INDEPENDENTE DA PONTINHA
Decº 458/2011

Sua Majestade, D. Renato I, Soberano do Principado Independente da Pontinha, neste dia 3 de Outubro de 2011, proclama, aos seus leais súbditos, vizinhos fronteiriços, demais cidadãos do “país-irmão” Portugal, aos cidadãos dos vários Países do Mundo que, atravessando o oceano Atlântico, fazem questão de prestar vassalagem real:
1. Uma mensagem, “urbi et oprbi”, de paz e amizade.
2. Uma palavra de solidariedade para com o financeiramente “esventrado” povo de Portugal, vítima dos propósitos canalhas globalistas e dos seus comparsas/capatazes políticos lusitanos, traidores da Pátria-Irmã lusa e dos seus concidadãos.
3. Duas propostas à Troika financeira que, 37 anos depois do Conselho da Revolução democrática de Abril, constituiu o CONSELHO DA DEVOLUÇÃO da soberania económica portuguesa aos avarentos magnatas financeiros multinacionais (donos dos ditos mercados financeiros internacionais).
4. A primeira proposta visa dar em pagamento os dois denominados “Submarinos Portas”, que, pelo menos, custaram ao erário público do País-Irmão Portugal, mais de 2 mil milhões de euros, montante que corresponderá à receita fiscal abusiva correspondente à metade do subsídio de Natal dos trabalhadores dependentes portugueses.
5. A segunda proposta visa adquirir, em termos a negociar, a Região Autónoma da Madeira, de modo a expandir a área territorial do Principado Independente da Pontinha e a salvaguardar os legítimos direitos e expectativas de um Povo madeirense, sem alternativas minimamente credíveis à sua governação e que, pelo seu esforço, humildade, potencial e mérito, merece um governo sério e justo de Sua Majestade o Príncipe D. Renato I, o único governante mundial sem dívida pública.

Paços do Principado da Pontinha, Forte de São José, aos 3 dias do mês de Outubro do Ano da Graça de Anno a Christo Natto, MMXI
Sua Majestade, o Príncipe
(D. Renato I, o Justo)


www.fortesaojose.com

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ponto 1 da ordem de trabalhos do Srº Silva na 2ª feira

Ex.mo Senhor Presidente da Republica Portuguesa
Caro homologo Aníbal Silva

C/C: FMI, BCE, CE, Representante da Republica na R.A.M.
 

Tendo tomado conhecimento de que membros da Troika se deslocarão à Madeira para proceder a auditoria das contas desta região afecta à Republica Portuguesa de que é V. Ex.a, digníssimo representante, solicito e agradeço se o meu Muy ilustre Homólogo se dignasse indicar-me os contactos da antes referida comissão por forma a submeter à apreciação, certamente idónea e imparcial, os reais documentos que atribuem ao meu Território a condição de Estado distinto, que a potência ocupante, no momento corporalizada por V. Ex.a pelo exercício da sua Presidência, capacidade e poder similar ao do então Rei de Portugal, D, Carlos, que em 1903, vendeu sem embargo algum e abateu a fazenda nacional o meu Principado, acto legal e sem reservas, que Portugal teima em não honrar, como certamente não honrará os compromissos e actos que V. Ex.a vem assinando, o que evidencia o caracter dos " comandantes" desse povo, que já até foi herói e legal proprietário de meio mundo.

Forte de São José, dia 8 Setembro do Ano da Graça de
Anno a Christo Natto, MMXI

Que Deus Vos guarde

Renato Barros príncipe do Principado Ilhéu da Pontinha